Hoje é Quinta-feira

16 Janeiro 2020 Escrito por Thiago Miranda Cultura Maçônica 503
Hoje é Quinta-feira https://br.pinterest.com/pin/631066966510545328
Avalie este item
(0 votos)

 

 O Maçom e a luta pela verdade versus FAKE NEWS e a busca de cliques

 

 

 

 

 

Notícias falsas, histórias montadas, boatos, fofocas que são isco de cliques (as chamadas clickbaits) não são nenhuma novidade, neste século. Acredito que, a possível diferença esteja remontada no potencial de circulação das chamadas fake news, sobretudo, no ambiente online.

 

 

 

Machado de Assis, já nos ensinava algo que ainda não foi possível o nosso aprendizado:

 

 

 

‘’o boato é um ente invisível e impalpável, que fala como um homem, está em toda a parte e em nenhuma, que ninguém vê de onde surge, nem onde se esconde, que traz consigo a célebre lanterna dos contos arábicos, a favor da qual se avantaja em poder e prestígio, a tudo o que é prestigioso e poderoso’’, nosso poeta literário, tinha razão.

 

 

 

Sinto-me, agora, confortável para lançar uma indagação: porque a maçonaria combate a ignorância em todas suas formas? Estamos diante de um questionamento eivado de subjetividade, ou seja, pessoalidades diversas, mas, dentro dos quadrantes maçônicos não podemos jamais nos esquecer daquilo que nos ensina o esquadro e o compasso, enquanto instrumentos valiosos em nossa caminhada maçônica.                   A ignorância é a mãe de todos os vícios, e deve ser sim, combatida com lealdade e franqueza. Lembremos que, o ignorante aqui, não se trata daquele que nada sabe, mas daquele que precisa desenvolver por si só, o caminho próprio e individual da prática do amor fraterno. Já refletido em meados de 1620 por, Galileu Galilei, ‘’nunca encontrei uma pessoa tão ignorante que não pudesse ter aprendido algo com a sua ignorância’’.

 

Assim, é necessário sermos tolerantes mesmo que a grande maioria talvez não a mereça, afinal, a sabedoria não é sinônimo de educação e muito menos de erudição, trata-se na verdade, de um conjunto harmonioso de conhecimentos e pré-disposição para a evolução mental.                                                                                                                   Dessa forma, diante os banhos de notícias falsas e mesmo não sendo tais comportamentos fenômenos novos, sua propagação pelas redes sociais abre um caminho perigoso diante o aspecto cultural de responsabilidade que sempre teve a informação verídica. O que se vê é que, a fake news, ganhou e ganha-se, cada vez mais visibilidade pela potencialidade em servir aos mais variados interesses da discórdia e da perfídia.

 

            Seja no passado da Revolução Francesa ou não, a Maçonaria sempre esteve atenta e viva às ideias da Liberdade, Igualdade e Fraternidade. Nesse sentido, jamais devemos desistir da continuidade de nossa obra interior afinal, em toda construção além de todos os seus utensílios que são necessários para o eu erguimento tem se ali, o labor do verdadeiro suor do pedreiro.                                                                         Usemos então, todas as armas necessárias para o combate da fake news, e o senso crítico individual por mais difícil que seja, pode nos ajudar:

 

 

 

                                                                            i. não leia somente o título da informação.

 

                                                                           ii. sempre consulte a fonte (site).

 

                                                                         iii. verifique quem é o autor e,

 

                                                                         iv. cuidado com o sensacionalismo barato da matéria.

 

 

 

 

‘’Não há nada bom nem mau a não ser estas duas coisas: a sabedoria que é um bem e a ignorância que é um mal’’. Platão.

Thiago Alves Miranda, é Membro efetivo vitalício da Academia Tocantinense Maçônica de Letras - ATML – Ocupante da cadeira no 8.

 Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Texto originalmente publicado em 18 de julho de 2019.